sábado, 4 de julho de 2020

Carnaval em Holambra e Spaghetti al Sugo Nero di Seppia - Espaguete com Molho de Tinta de Lula



Era um domingo, final de outono, o dia amanheceu frio e úmido, duas mantas me aqueciam na cama. Eu estava feliz com o par de meias quentinho, meias bem grossas e apropriadas para inverno, que havia comprado em uma liquidação, em um tempo que podíamos andar pelas ruas com tranquilidade, sem máscaras e receios. Naquele tempo, podia-se passar o dia inteiro fora de casa sem qualquer preocupação. Os cafés estavam abertos e exalavam perfume de pão de queijo, que embora seja especialidade dos mineiros, em Sampa pode ser encontrado com muita facilidade e na maior parte das vezes, são deliciosos. Gosto daqueles maiores, com miolo cheio de buraquinhos, a casca firme e bem crocante, moreninha, dando todas as indicações de que foi assado no ponto certo. Pão de queijo molengo, deformado ou afundado, branquelo, ninguém merece! 

O maridone tem uma neta que mora em Minas Gerais, quando vamos visitar, chegando no Aeroporto de Confins, tem um café com o pão de queijo que adoro, este 👇


Saí da cama, abri a janela e pelo vidro, observei que as árvores estavam molhadas, bem como a rua. Muito chuva, a noite inteira, segundo meu marido, que acorda até com o som das asas do pernilongo.  Gosto de levantar cedo, há um silêncio no ar que me encanta. Quando o céu está cinza e molhado, nem o som dos passarinhos pode ser escutado. Tudo está em repouso e relaxado. Para um mundo barulhento, apreciar esta quietude, é um privilégio, uma ode à paz! 

Ode à paz na minha casa é o quando o marido é um tudo de felicidade, capricho e parceria! Olhem só o bonitão usando a furadeira, sem fazer sujeira ahaha! Eu peço ele em casamento todos os dias!


Mas, do que eu sinto imensa saudades nesta pandemia? De tomar café da manhã nas padarias de São Paulo. Esta cidade tem uma coleção gabaritada de padarias, para todos os gostos. Nada pode ser melhor do que as padarias de São Paulo. Quando viajo, é a primeira coisa que sinto falta, porque em uma padaria de São Paulo, você vai achar o que quiser. Café da manhã, almoço e jantar, lanches, merendas, cafezinhos, confeitaria, comprinhas de necessidade, muitas vezes até minifeira! Algumas padarias funcionam 24 horas e na época de inverno, tem o famoso Buffet de Sopas completo, com pães artesanais, queijos, sobremesas, etc., para degustar "a la vontè". Tem até Padaria Boutique, para quem gosta de apreciar delícias importadas em geral: cafés, salames, presuntos, licores, massas, vinhos, queijos, etc. Mas eu me contentaria com um "espresso" bem tirado e um pão francês estalando de crocante, canoa (sem miolo), com manteiga aviação, depois vai para a chapa sem amassar ou prensar e "na saída", passa-se requeijão cremoso e o mundo pode acabar. Super diet, vai uma foto para apreciarem:


Mariana está uma mocinha, iniciou o processo da troca dos dentinhos. Este ano não teve a festa do seu aniversário, por conta da pandemia. Os pais explicaram e ela compreendeu bem, foi tranquilo. O aniversário estava planejado, com tudo pago desde janeiro, para acontecer em final de março, mas foi cancelado.  Fez 6 anos, está sentindo falta da escola, dos amiguinhos. Agora faz as atividades escolares em casa e mantém esta parte em boa organização diária. 



Hoje vou apresentar as netas do meu marido, Laura é mineira e tem 6 anos, Manuela é carioca e tem 1 ano. Aguardamos para novembro a chegada da Raíssa. E assim, formamos um belo clubinho feminino de belezuras, todas estão bem, com saúde. 


No carnaval, estivemos em Holambra, cidade no interior de São Paulo. Na época da Segunda Guerra Mundial, muitos imigrantes holandeses se estabeleceram na região e mais tarde foi fundada a cidade, que recebeu o nome de Holambra, a junção dos nomes: Holanda, América e Brasil.

É uma cidade graciosa, o povo muito tranquilo e hospitaleiro. Há uma rua onde as construções mantém fachadas que lembram um pouco aqueles pequenos prédios de Amsterdam, pelo menos tentam, observem na foto: 


A vida gastronômica é interessante. Restaurantes sempre cheios, sendo as mesas nas marquises as mais disputadas. Gostamos de chegar cedo, sempre que possível, de forma que tudo fica mais confortável. 



O Museu Histórico de Holambra é uma visita que recomendo muito, há uma casinha bem ao lado do museu que retrata como era a vida dos imigrantes, na época em que chegaram ao Brasil. 



A guia do museu, uma senhora muito simpática e muito alta para os padrões das mulheres brasileiras, contou toda a história da chegada dos pais ao Brasil, se fosse possível eu ficaria o dia inteiro ouvindo, havia uma riqueza histórica imensa naquelas palavras. A foto da família é acervo do museu e a guia é a garotinha bem à esquerda, loirinha, cabelinho curto 👇

 

É acervo do museu um fogão holandês que achei bonito, também serve como aquecedor, foi doado para o museu pela Família Eltink 👇


Ferros para assar Waffles 👇


E, entre outros objetos da vida diária, um Cortador de Pão 👇


Na foto que segue, tradição holandesa no prato: salsichão (estava excelente, sabor suave, delicado), mostarda escura e salada de batata com ovos cozidos temperados com maionese e mostarda, para quem gosta, um luxo de sabores simples e muito bem combinados! As cervejas um caso à parte, aproveitamos muito. 


A gastronomia holandesa é completamente similar à alemã, mas algumas delícias aparecem com fortes influências tailandesas, já que Holanda e Tailândia estabeleceram relações comerciais. Correção gentilmente enviada pela Mariette do blog Mariette's Back to Basics: fortes influências da Indonésia (e não Tailândia, como eu escrevi). A Indonésia foi colonizada pelo Holandeses por cerca de 350 anos - vide comentário abaixo da querida amiga, o qual agradeço muito). Provei iscas de frango empanadas com gergelim, servidas com molho adocicado a base de soja, estavam deliciosas. 

Confeitaria holandesa, humm... não agradou, porque achamos os doces extremamente açucarados e pesados. Lembrando que falo aqui sobre doces de Holambra e não da Holanda. Provamos em confeitaria e em restaurantes, nada agradou. A Zoet en Zout (tradução do google: Doce e Sal), conhecida como a confeitaria do lago, é um local muito agradável, pelo belo gramado, lago e pela decoração, por sinal, belíssima! Sentamos em uma mesa no gramado, como mostro na foto abaixo, pedimos doces, água e café, foi um momento bem relaxante, aproveitamos. 



Tivemos o prazer de apreciar esta instalação artística em uma bela alameda no centro de Holambra, em uma noite, após o jantar. Fiz um vídeo, pois o efeito é muito bonito:  


Agora, estamos na parte mais alta do Moinho Povos Unidos, também uma visita interessante, uma aventura na verdade. 



Cliquem para ver o vídeo do moinho: 



Porém, não recomendo a visita ao moinho para todos, porque as escadas não são fáceis e para descer, puxa... considero até um pouco perigosa. É muito inclinada 👇



Holambra termina aqui e como é a cidade das flores, deixo algumas que fotografei 👇 comprei um vaso com cactos, lindos! Amo cactos! E até agora estou acertando nas regas, pois afogava todos. 



E receita vai para os amantes das delícias do mar -  Spaghetti al Sugo Nero di Seppia 🥂🦑 


Quando estive em Veneza, provei o "nero di seppia" e amei, que é a tinta da lula. Que delícia! Degustei com pasta e com polenta. 

Um dia encontrei sachês de "nero di seppia" em um mercado de produtos importados. Comprei imediatamente, preço muito acessível, tendo em vista ser importado. Pode ser adquirido, também, em lojas online. É este, um sachê dá perfeitamente para duas pessoas: 


Tudo muito fácil e rápido de fazer. O espaguete é branco, de grano duro, digo isso, porque tem pastas que são negras, sendo que a pasta já vem com o "nero di seppia" na composição. Cuidado, porque algumas pastas usam corantes. 

Wok no fogo suave, azeite de oliva, alho pequeno ralado, deixe fritar sem escurecer, na sequência rodelas de pimenta dedo-de-moça, depois tomates frescos e maduros em pedaços ou pedaços de pelati (sem exagerar, observe na foto, não tem tomates em abundância), refogar um pouquinho e juntar a lula em pedaços. Hora de salgar, sem exagerar, porque os frutos do mar já são salgados naturalmente. Quando a lula pegar cor, juntar um copo de vinho branco seco e seguir até ficar macia (tampe a panela), aproximadamente meia hora, fogo médio/suave, mexendo algumas vezes. Sem deixar o molho secar, junte o sachê de "nero di seppia", misture, apague a chama e termine com salsinha e pimenta do reino ralada. Neste tempo, a pasta que já está cozida (você deve calcular o tempo para cozinhar a pasta em paralelo com o molho, terminado dois minutos antes do tempo indicado no pacote), vai para a panela com o molho de "nero di seppia" e sem precisar escorrer, assim: pegue a pasta com um pegador direto para a panela, misture tudo em fogo baixo e após dois minutos, está pronto. Agora você pode terminar o vinho branco seco que abriu para fazer este prato 🥂🍾 👌


Nas fotos que seguem, apresento o "nero di seppia" que fiz com mexilhões, mas neste caso, a tinta da lula estava na pasta, que já era negra, o molho não. Em Veneza a experiência foi com o "nero di seppia" fresco, aquela bolsinha com tinta dentro da lula foi estourada na confecção do prato, então, caríssimos, muito melhor ainda! Mas tudo está valendo, eu gosto das diversas experiências que a vida oferece, só agradeço e aproveito cada pedacinho com felicidade. 

Foram "Linguine do Grano Duro e Nero di Seppia", vieram de presente para mim, de Pisa/Toscana. O molho foi feito com azeite de oliva, alho, mexilhões, pimenta do reino ralada no momento, umas rodelas de pimenta dedo-de-moça, salsinha, vinho branco seco e pouquíssimo sal. Observem nas fotos,  a apresentação é mais bonita, até porque, o mexilhão na concha tem uma bela aparência: 


O segredo: quando você for abrir as conchas do mexilhão, um processo simples e rápido, coar e reservar a água do cozimento, que está completamente ampla de sabores. E vai ser usada para fazer o molho deste prato, sublime! Una vera poesia!


Termino a minha conversa por aqui, deixando a todos um forte abraço, beijinhos, carinhos e muito obrigado a todos os queridos que preocupados comigo, escreveram pedindo notícias. Está tudo bem. 

Desejo o melhor para todos, incluindo familiares e queridos. Saúde para todos nós! 






quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Babka de Canela com Raspas de Laranja - Parque do Povo - Parada Gay




Era um domingo de inverno, mas o sol apareceu e decidimos caminhar no Parque do Povo, que fica em São Paulo. 

Eu gravei este vídeo. Quer me conhecer melhor? É só assistir.  


Tenho lembrado de Alda Merini, tão esquecida e tão profunda...


"Ma da queste profonde ferite usciranno farfalle libere" - das profundas feridas, nascem borboletas livres.   

Quando nos tornamos conscientes, somos livres e independentes da opinião e palavras das pessoas. Consequentemente, mais intuitivos, menos manipuláveis e donos dos nossos caminhos.


Resultado de imagem para alda merini sanatorio

Alda Giuseppina Angela Merini (1931 - 2009) escritora e poetisa italiana, tinha um estilo de escrita muito próprio, intenso, apaixonado e místico. 


O que andei assoprando na minha cozinha, nas tardes frias deste inverno que já termina? 

Assoprei canela para aquecer o corpo com perfumadíssimas raspas de laranja.  

Fiz por duas vezes a deliciosa, super amanteigada e perfumada Babka.


O que é Babka? Parece que significa pequena avó. 


É um pão doce com massa levedada, muito macio, de origem judaica ✡ do leste europeu.



Substituí a parte líquida da receita por suco de laranja e usei as raspas da casca de uma laranja. 

E o recheio? O perfumado açúcar mascavo com manteiga e a aromática canela.




Então, enrolei a massa, formei um cilindro, que parti ao meio.

 

Enrolei as duas partes, pincelei uma gema de ovo com um fio de azeite, para dar brilho. Espalhei um pouco de açúcar cristal por cima. 

Encolhi a babka com as mãos, para caber na forma de bolo inglês. 



Mas não esqueça de forrar a forma com um pedaço de papel manteiga. Isso vai facilitar desenformar a babka, mas eu esqueci! Observe a foto acima. 

Foi para o forno, temperatura 180°. Deve assar lentamente em temperatura baixa, para não ressecar. Aromas de canela e laranja perfumaram a minha casa. 

Uma jornalista, historiadora e escritora de alimentos, Lesley Chamberlain, acredita que Babka tenha origem italiana, trazida pela rainha Bona Sforza da Polônia no século XVI, tornando-se uma versão do panetone. Então, foi por conta da Bona Sforza que eu decidi usar as raspas da laranja! 

Resultado de imagem para bona sforza regina di polonia

A rainha consorte da Polônia e grã-duquesa da Lituânia, foi a segunda esposa de Sigismundo I da Polônia. Ela nasceu em Vigevano, na região da Lombardia, na Itália, em fevereiro de 1494.


Babka de Canela com Raspas de Laranja 

Massa
1 colher sobremesa de fermento biológico seco instantâneo
3 colheres de sopa rasas de açúcar refinado 
1/2 de xícara de suco de laranja morno 
1 + 1/4 de xícaras de farinha de trigo
50 gramas de manteiga em ponto de pomada
1 ovo

Misture todos os ingredientes secos, faça um espaço no centro, tipo um vulcão, disponha o retante dos ingredientes, una tudo, junte mais farinha se necessário, mas sem exagerar, é um pão macio e amanteigado. Sove até a massa ficar lisa, aproximadamente 10 minutos. Reserve em vasilha tampada até dobrar de volume, cerca de 1h30 a 2 horas. 

Recheio
50g de manteiga derretida
3/4 de xícara de açúcar mascavo
1 colher de sopa de canela 

Enquanto a massa cresce, faça o recheio, misture tudo, parece que não vai dar certo, mas continue e terá um creme de açúcar e canela. Reserve. 

Montagem
Abra a massa em uma base enfarinhada, é tão fácil de abrir, nem usei o rolo. Abri com as minhas mãos, sempre enfarinhadas. Abra no formato de um retângulo, sem grandes preocupações, pois é um pão rústico. 

Espalhe com a ajuda de uma faca sem ponta, o creme de açúcar e canela, deixando 1 cm livre nas bordas. Faça um rolo fechando bem as extremidades, os detalhes eu expliquei lá em cima. Aqueles detalhes sobre como enrolar a babka. 

Leve para assar em forno pré-aquecido a 180 graus e não aumente a temperatura. Quando estiver assado, retire imediatamente, inclusive a babka da forma, com a ajuda do papel manteiga, para que ela não continue assando com o calor da forma. 

Para saber se esta assada? Espete uma faca ou palito na massa, se sair seco, está pronta! 


 

Qual é a maior Parada Gay do Mundo? Segundo o Guinness World Records, a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo foi nomeada, em 2006, como a maior do mundo.


Estive na Parada do Orgulho LGBT de 2019, que acontece desde 1997 na Avenida Paulista, em São Paulo.


Tem como uma das principais reivindicações, o combate à LGBTfobia. 

Foi uma festa muito alegre, divertida.

Apoiamos a causa!



Agora é a vez de quem? Mariana!

Pronta para ir a escola! E a frase que não pode faltar: a nonna continua usando babador! 



Agora ela tem dois periquitos, além de dois cachorros e um peixinho. 



Beijos meus amigos!





domingo, 26 de maio de 2019

Dia de Feira com Chuva - Broccoli Aglio, Olio e Peperoncino - Polpettone di Carne Arrotolato





Era uma sexta-feira chuvosa, dia de feira no meu bairro, mas eu fui mesmo assim, porque comprar ovos caipiras, presentes no meu café da manhã diariamente, só na feira. As verduras ficam muito molhadas, não gosto! Duram pouco, mesmo secando, selecionado e mantendo na geladeira. 

Parei na barraca do Zé. Todos os feirantes são Zés, Zé do ovo, Zé da batata, Zé ceboleiro. Todas as freguesas são mães, "mãe, vem comprar a melhor couve flor para a sua família", "mãe, aqui tem ferro pro seu filho, vem ver que beleza de espinafre". Só na barraca do pastel que não tem Zé, tem Massao, tem Tadao e tem o pastel da Kuniko, que todo mundo chama de Maria ahaha!  

Na barraca do Zé das verduras, um brócolis tão feio, já meio amarelinho, me olhava, era o único! Comprei algumas verduras, um maço de alecrim e o brócolis não parava de me olhar, eu já estava ficando constrangida. Naquela altura, comecei a pensar que ele, o tal brócolis, poderia ficar muito apetitoso feito ao aglio, olio e peperoncino (alho, azeite de oliva e uma pimenta parecida com a nossa dedo de moça). 


Peperoncino picante, porque tem o dolce - Imagem by depositphotosEntão, antes de pagar a minha compra, perguntei: ôôô Zé, qual é o preço daquele brócolis? Ele pegou o maço deu na minha mão e disse: mãe, pra você 1,00 real! E foi o jantar daquela sexta-feira chuvosa, mas antes, o brócolis contraiu matrimônio com algumas batatas assadas. Descobri que ele era polígamo. Nossa, como pode! Tantas batatinhas fresquinhas e belas, "pagarem pau" para um brócolis tão feio! Pagar pau, é uma gíria usada para: demonstrar que gosta, que admira, idolatra. 


Primeiro assei as batatinhas cortadas em metades, com azeite, sal grosso, alecrim e pimenta preta ralada no momento. Tirei do forno e reservei. Fritei em azeite de oliva, fogo baixo, na wok, alho ralado e pimenta dedo de moça fatiada, só 3 fatias, depois juntei os floretes do brócolis feio, envolvi tudo e juntei as batatinhas. Prontinho!Provei para corrigir o sal e não fritei muito o alho, porque acho que o sabor fica amargo. E foi então que, um polpettone enrolado ou arrotolato na língua italiana, com presunto e queijo, todo garboso e empoderado, fez a celebração do tal matrimônio super colorido, entre um pé de brócolis e batatinhas apaixonadas. 

 
Tudo em uma vasilha: meio quilo de carne moída, 1 ovo pequeno, 1 dente de alho ralado, 2 colheres de parmesão ralado, noz-moscada ralada - não exagere, salsinha fresca picada generosamente, um pouquinho de orégano, pimenta preta ralada no momento, sal sem exagerar - cuidado, o parmesão já é salgado. Misture tudo com as mãos e junte farinha de rosca até dar o ponto de formar as polpettas ou porpetas. Este é o motivo do ovo ser pequeno, para não juntar muito carboidrato, no caso, a farinha de rosca, só o necessário.   Na receita tradicional, vai pão hidratado no leite, eu não usei, mas você pode juntar à mistura, vai render mais. Abra a massa em cima do filme de PVC, molde para que fique do tamanho de forma de bolo inglês. Recheie com presunto e mozzarella. Enrole com a ajuda do filme plástico, fechando bem as extremidades e deixe descansando por 20 minutos no freezer. Forre a forma de bolo inglês com papel alumínio, deixando um pedaço para fora, dos pois lados, pincele azeite de oliva, com se estivesse untando uma forma. Coloque o polpettone sem o filme plástico na forma, pincele azeite de oliva por cima do polpettone. Leve para assar coberto com papel alumínio, depois abra as folhas, para dourar o polpettone


Foi uma festa, ainda apareceu sem convite, mas todos gostaram, uma taça de um tinto seco argentino, La Linda, uva Cabernet Sauvignon. E assim terminava a minha sexta-feira chuvosa.  

E a Marianinha? Toda na atividade e diversão:


Viajou para Porto Seguro e esteve sempre protegida pelo Bud ou Budynho, como ela gosta de falar.


 O Snow também quer proteger a nossa Mariana. Agora são dois cachorrinhos e ainda, um peixinho, que ela alimenta todos os dias, antes de ir para a escola.  


Pulou carnaval fantasiada de diabinha!  


 Adora ir a escola, que usar muitos laços no cabelo e tem aulas de culinária, aprendeu a fazer Muffin de Banana e Cacau. Será que a menina puxou à nonna? 


Mas primeiro, todos os alunos foram ao mercado comprar os ingredientes, aprender a passar os produtos no caixa e pagar, tudo acompanhado pela professora. Lembrei-me das Escolas Experimentais, na década de 1970, eu estava matriculada em uma, no curso do antigo ginásio, fiz várias aulas, incluindo culinária, artes industriais e teatro. Era uma escola pública, muito bem classificada, época de um Brasil brasileiro saudoso... século passado. 


Em abril fez aniversário, 5 anos. Com o papai, meu filho Bruno e com a mamãe, a norinha Juliana
 
Para a festa, ela escolheu decorar com o tema da Ladybug


Ladybug

 
Ao cantarmos os parabéns, Mariana aparece vestida com a roupa da super-heroína Marinette, mais conhecida como Ladybug, que têm a missão de salvar a cidade de Paris de um misterioso vilão, mantendo sigilo sobre a sua identidade secreta, conforme o google me contou. Na foto acima, Marianinha está com a mamãe Juliana. 


E a nonna ainda continua usando babador ahaha!Agora sobre os meus implantes. Comecei no ano passado, fiz levantamento de seio da face e enxerto ósseo, aquele com o plasma do meu sangue misturado com pó de osso bovino - muita gratidão a todas as vaquinhas e boizinhos do mundo! Depois de seis meses, foi a vez do implante, o pino no osso. Depois de quase seis meses, já tenho dentes provisórios, que estão moldando a minha gengiva.Só senti dor nesta etapa, a que os dentes são colocados, porque a gengiva precisa ficar certinha, para ter uma bela moldura no dente. Nas outras etapas, não senti dor, quase nada. Os trabalhos foram feitos em três dentes laterais superiores. 


Meus queridos amigos, um abraço a todos, beijinhos e uma serena e produtiva semana.